A biografia de Ho Chio Meng segundo a “China Profiles”

A biografia de Ho Chio Meng segundo a “China Profiles”


ho-indice“Os olhos, sobrancelhas e nariz revelam a sua sinceridade e honestidade. O seu tom de voz e gestos enquanto fala demonstram a sua serenidade e carácter. A sua personalidade foi provavelmente influenciada pelo seu passado e experiência.”
É com esta afirmação a servir de intróito que a “China Profiles” traça o perfil do homem que a Liga da Juventude Comunista Chinesa entende ser o candidato mais forte a Chefe do Executivo.
A publicação recua ao início do século XIX para atestar o enraizamento da família do procurador em Macau. “Em 1824, Ho Weng Guai deixou Panyu e foi para Macau onde começou o seu negócio de construção naval e transportes marítimos.” Ho Chio Meng pertence à quinta geração nascida em Macau.
O avô do procurador foi reitor de um estabelecimento de ensino na zona do Iao Hon, a escola primária Tak Meng, onde a avó, o tio, a tia e o pai também trabalharam.
“Criado no meio católico”, destaca a revista da ala jovem do Partido Comunista Chinês, “Ho foi ensinado a ser generoso, bem-comportado, e era um aluno brilhante com disciplina influenciado por uma família católica e devotada à educação.”
O pai acabou por ir para Cantão e o jovem Ho Chio Meng seguiu-lhe os passos. “Depois da catástrofe da Revolução Cultural na China Continental, retomou os seus estudos na escola secundária com persistência. Mas o grande ponto de viragem deu-se quando foi admitido na Universidade Sudoeste de Ciências Políticas e Direito.”
A vida universitária implicou uma mudança para Chongqing e foi a primeira vez que Ho deixou a família, salienta a publicação. E foi uma mudança do “mundo civilizado para o primitivo” – em Macau a família tinha uma televisão, bem de consumo distante da China profunda de então. “Mas Ho decidiu viver no campus, como outros jovens entusiastas”, salientam os autores desta sua biografia. Além das tarefas académicas, foi supervisor de actividades e assuntos dos estudantes, “um líder entre os seus colegas”.
Concluída a licenciatura, Ho Chio Meng foi trabalhar para o Tribunal Superior de Guangdong. Pouco tempo depois, tornou-se o mais jovem responsável pela divisão de assuntos económicos. Tinha então 36 anos.
Sobre o seu trabalho na instância da província vizinha, diz o próprio procurador que “trabalhava tanto que até passava os fins de semana no escritório”. “Obedecer aos líderes e a coesão entre os colegas era também muito importante. Como resultado, o meu superior confiava na minha competência e os meus colegas cuidavam de mim. Foi por isso que avancei depressa”, explicou à “China Profiles”.
Na década de 1980 chegou a oportunidade de regressar à terra natal. “Não tinha de se preocupar com o seu pai, que já tinha voltado para Macau, pelo que foi estudar Direito para a Universidade de Coimbra em Portugal”, relata a revista.
Três anos mais tarde, mudou-se novamente para Macau, começando a trabalhar na função pública. Fez ainda o doutoramento na Universidade de Pequim, na área do direito comercial, antes de começar a trabalhar no Alto Comissariado Contra a Corrupção e a Ilegalidade. “É o magistrado chinês e alto funcionário ao serviço do Governo de Macau há mais tempo.”
A “China Profiles” explica que “o seu patriotismo e bom comportamento” deram-lhe a oportunidade de ser promovido a procurador da RAEM em Dezembro de 1999. Tinha 44 anos. Foi reconduzido no cargo em 2004.
Publicação da Liga da Juventude Comunista Chinesa, a “China Profiles” tem como director, Zhou Changhui, membro do Partido Comunista. Em Fevereiro passado, Zhou foi distinguido pela Liga pela sua actividade profissional enquanto jornalista.

Isabel Castro, in Ponto Final

Advertisements

About this entry