Levar a cidade para dentro de casa

Peças feitas no workshop “constrAction” expostas a partir de hoje na Creative Macau

A primeira experiência correu tão bem que se avançou para uma segunda edição. Os resultados estão à vista: é inaugurada hoje na Creative Macau uma exposição com os trabalhos do workshop “constrAction”, orientado pelo arquitecto Nuno Soares, o autor deste conceito de mobiliário. A organização explica a importância deste tipo de iniciativa e a sua relação com a cidade.

“As pessoas também construíram as suas peças, mas pedimos para que escolhessem um objecto da cidade e que o relacionassem com as suas necessidades e desejos.”
“As pessoas também construíram as suas peças, mas pedimos para que escolhessem um objecto da cidade e que o relacionassem com as suas necessidades e desejos.”

É a prova de que toda a gente pode ser mais ou menos criativa: basta aprender as técnicas e haver disposição para as explorar. A galeria da Creative Macau acolhe, a partir de hoje, as peças resultantes de mais uma edição do workshop “constrAction”. A exposição conta com trabalhos feitos por oito formandos da oficina. No total, há quinze peças para ver.
Em Fevereiro do ano passado, o autor deste conceito de mobiliário, o arquitecto Nuno Soares, decidiu partilhar a técnica que inventou. A ideia foi bem sucedida e este ano repetiu-se a iniciativa, mas com um nível de desafio maior.
“Desta vez, o tema foi diferente”, disse Nuno Soares ao PONTO FINAL. “As pessoas também construíram as suas peças, mas pedimos para que escolhessem um objecto da cidade e que o relacionassem com as suas necessidades e desejos.”
O conceito “constrAction” tem uma série que dá pelo nome “Outsiders” e que explora já esta relação com a cidade. Um exemplo? “Uma das peças utiliza escadotes de pintores com tábuas ‘constrAction’ para formar uma biblioteca.”
Seguindo esta lógica, o workshop começou com uma pergunta: quais são os objectos característicos de Macau? Houve, assim, uma componente de investigação. “Sugeriu-se uma ligação com a cidade como pretexto para o workshop.”
Lançado o repto, cada aluno escolheu o objecto e imaginou uma peça de mobiliário. “Alguns optaram por transformar esse ‘ready made’, outros utilizaram o objecto da cidade como elemento decorativo”, conta Nuno Soares.
O resultado é o mais diversificado possível. Houve quem tivesse pegado em suportes de bambu e em escadotes e os transformasse em objectos com uma utilidade caseira. Têm todos uma característica comum: “Manteve-se a abordagem multifuncional que permite ao utilizador adaptar a peça às suas necessidades”.

O lado prático

“O objectivo deste workshop foi formar pessoas que queiram fazer algo dentro do design de mobiliário”, salienta a directora da Creative Macau. Para Lúcia Lemos, o facto destes workshops serem especificamente sobre mobiliário reveste-se de particular importância. E isto porque “desconhecemos qualquer iniciativa nesta área em Macau”.
Assim sendo, a Creative Macau e Nuno Soares acharam que uma oficina desta índole podia ter interesse à comunidade local. A opção revelou-se acertada e, realça Lúcia Lemos, os workshops foram frequentados por pessoas de diferentes contextos culturais, uma transversalidade que satisfaz a organização.
Para Lúcia Lemos, uma das razões para o sucesso destes workshops é a sua componente prática. “As características do workshop são interessantes. É essencialmente vocacionado para o lado prático, para a simplicidade e a vivência do dia-a-dia.”
São os mais jovens que procuram este tipo de oficina que os ensina a construir mobiliário simples e multifuncional. “Este mobiliário encaixa-se perfeitamente em casas pequenas, devido à natureza de convertibilidade dos móveis”, aponta a directora da Creative Macau.
Os oito formandos que terminaram o curso – só dois inscritos é que não ficaram até ao fim – acabaram por produzir mais do que uma peça. “Desta vez, entusiasmaram-se”, diz Nuno Soares com satisfação. Lúcia Lemos salienta que “são workshops duros, tem de se aplicar imensa força, porque é construção, estamos a falar de carpintaria, pelo que não é fácil”.

Mesas que são sofás

O “constrAction” assenta num conceito simples. Trata-se de um sistema de design e construção de peças essenciais de uma habitação, utilizando materiais de construção de Macau e um sistema métrico modular que organiza cada peça e permite múltiplas associações e interacções entre os vários objectos, formando um conjunto diversificado mas coerente.
Os objectos podem ser montados de formas diferentes, de acordo com a vontade do utilizador. Aposta-se na versatilidade, em que um sofá pode ser virado ao contrário e transformado numa mesa, por exemplo.
Nuno Soares inspirou-se nos elementos da cultura urbana de Macau para conceber o mobiliário “constrAction”, um sistema que o arquitecto explica ser “flexível e aberto, sem limite de peças”. A ideia atinge agora um novo patamar, através da partilha das técnicas entre criador e mais um grupo de alunos.
O arquitecto garante que o seu conceito não tem segredos e está acessível a todos os que queiram construir uma peça de mobiliário. A demonstrar isto mesmo, da exposição fazem parte peças soltas – o objectivo “é lançar a semente” entre os que forem ver a exposição e permitir que voltem para casa com ideias para novas peças de mobiliário.

Isabel Castro, in Ponto Final

Advertisements

About this entry